fbpx
62% de restaurantes e bares ainda não voltaram aos rendimentos "pré-pandemia"

62% de restaurantes e bares ainda não voltaram aos rendimentos do pré-pandemia

Uma pesquisa recente realizada pela Associação Brasileira de Restaurantes, indicou que 62% das empresas desse segmento ainda não conseguiram recuperar as vendas desde que se iniciou o isolamento social por conta da pandemia de Covid-19. Apenas 13% revelou que já está obtendo os mesmos lucros que antes do início do período de lockdown.

Cerca de 55% dos bares e restaurantes afirmam que têm dívidas neste momento, sendo que 78% estão devendo aos bancos, 57% estão com impostos em atraso e outros 24% tem algum tipo de dívida com os fornecedores.

Cristiano Melles, que é Presidente da ANR, afirmou que a grande diferença para os restaurantes foi o delivery, que claramente está vendendo mais agora do que anteriormente. O que ainda dificulta uma arrecadação maior nesse tipo de entrega são as altas taxas cobradas.

Pessoas estão preferindo comer em casa por conta da crise econômica

Segundo o Professor de Economia da FGV, Alberto Ajzental, em um momento onde estamos em uma recessão econômica, as pessoas sabem que comer em restaurante é mais caro e por conta disso, estão optando por comer em suas casas, claramente decidindo economizar nesse momento.

Com o aumento da inflação e os juros altos, os brasileiros acabam perdendo o seu poder de compra, além da desvalorização do dólar. Também é esperado que a retomada dos restaurantes e bares só deva realmente acontecer durante o período de festas em dezembro e janeiro.

Estima-se que 40% dos restaurantes do país resolvem apostar em um modelo de comida que é o “tradicional buffet”, um tipo de serviço onde se paga um determinado preço para aproveitar à vontade de comida, estes já teriam fechado as portas devido à pandemia.

No Brasil, existiam cerca de 200 mil estabelecimentos desse tipo, sendo que a estimativa atual é que este número tenha caído para 120 mil. Nas regiões onde temos a maior concentração de escritórios, as medidas de restrição e a adaptação do trabalho para o regime home office, tudo isso resultou em uma queda evidente da pandemia.

Esses restaurantes por kg ou self-service, tinham uma alta procura antes da pandemia, porém agora esse movimento já teria caído até 10%. Com a dificuldade de atender os clientes que preferiam o buffet livre, a solução para muitos empresários, em especial os que estão em capitais, é apostar no modelo la carte”.

Empresários também sentem a falta de um número menor de entregadores

Com o fechamento de mais de 300 mil restaurantes e bares no país, a estimativa é que 1,3 milhões de empregos tenham sido perdidos, mesmo que em algumas regiões do país, com o avanço da vacinação será mais fácil que esse segmento obtenha melhores resultados.

O setor de bares e restaurantes é um dos mais comuns com pequenos empreendedores no país, porém com a chegada da pandemia, a maior parte deles ficou bastante endividada.

Muitos desses estabelecimentos são montados pelas famílias e se encaixam na categoria de pequenos negócios, o que dificulta a renegociação de dívidas e a quitação de pendências fiscais que também é um dos maiores empecilhos atualmente aos empreendedores.

Folha Sudoeste


Leia Este

Brasil é o terceiro país do grupo G-20 com maior inflação nos últimos 12 meses

Brasil é o terceiro país do grupo G-20 com maior inflação nos últimos 12 meses

Entre os países do G20, que é o grupo de países que integram as 20 …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *