fbpx
ButanVac Vacina

Butanvac: Primeira Vacina Brasileira Desenvolvida Pelo Butantan

ButanVac VacinaFoi anunciado na sexta-feira (26) que a ButanVac, vacina 100% brasileira desenvolvida pelo Instituto Butantã, ligado ao Governo do Estado de São Paulo, entrou na fase de testagem em humanos. A previsão é de que ainda em 2021 ela possa ter cumprido todas as fases de testes e possa ser produzida e entregue ao público.

A notícia foi postada nas redes sociais do próprio Instituto Butantã:

O Instituto Butantan pedirá à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorização para testes clínicos com a nova vacina. A ideia, de acordo com o que foi divulgado pelo Instituto, é a de disponibilizar 40 milhões de doses da nova vacina até dezembro de 2021. Atualmente, o Butantan é responsável pela fabricação da vacina CoronaVac, desenvolvida pela chinesa Sinovac.

Veja a informação pelo próprio Instituto: www.butantan.gov.br/noticias/clinicos-da-butanvac-devem-comecar-em-abril

Próximas fases

A Butanvac já passou pelos testes pré-clínicos, realizados em animais. Nessa fase, os testes são feitos para detectar possíveis efeitos positivos ou de toxicidade, de acordo com o que publicou a Folha de S. Paulo. Depois de aprovada nessas fases, há ainda outras etapas posteriores pelas quais a vacina brasileira deverá passar.

Caso a Anvisa autorize o prosseguimento dos testes, a Butanvac passará pelas fases um e dois de avaliação. Nessa fase, serão verificadas a segurança e capacidade de resposta imune. Somente na fase três é que são estipulados os níveis de eficácia do imunizante.

A expectativa atual é que os testes comecem já no mês de abril de 2021. Por fim, cabe ressaltar ainda que o desenvolvimento da vacina Butanvac não vai mudar cronograma da Coronavac, hoje envasada pelo Butantan com insumos vindos de farmacêutica China.

Vacina da UFMG

Com efeito, a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) com cientistas de seu Centro de Tecnologia em Vacinas (CT-Vacinas) , em parceria com o governo de Minas Gerais e o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) desenvolve uma outra vacina brasileira, cuja expectativa é que chegue à fase final de desenvolvimento em 2022.

As primeiras etapas de testes foram finalizadas em fevereiro deste ano, e os testes em humanos deverão começar já nos próximos meses. Nessas etapas, haverá participação também da Fundação Ezequiel Dias (Funed), que possui sua própria fábrica de vacinas e pode vir a executá-la em escala industrial. O planejamento da vacina da UFMG engloba processo que cobre período que dura entre 12 e 14 meses, a depender do fluxo de investimentos.

Os investimentos para se desenvolver uma vacina são altos, chegando a pouco mais de R$100 milhões segundo números divulgados pela UFMG. Contudo, considerando médio e longo prazo, são números muito mais modestos do que aqueles praticados na compra de imunizantes importados. Além disso, há um grande ganho em termos de logística, considerando fabricação e distribuição, em termos de se ter uma vacina nacional.

Enfim, o avanço de vacinas nacionais é uma boa notícia, algo raro em meio a tantas notícias ruins diárias que vem desde o início da pandemia.

Folha Sudoeste


Leia Este

Tempo de Aprender Curso De Alfabetização

Tempo De Aprender Cursos Para Desenvolvimento Da Educação

Programa Tempo De Aprender Cursos Para Desenvolvimento Da Educação disponibilizado pelo MEC de forma gratuita …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *