fbpx
Salário mínimo vai chegar a 1.294?

Inflação atingiu o maior nível para o mês de janeiro desde 2016, mesmo com desaceleração

Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que é a inflação oficial no Brasil, fechou no mês de janeiro em 0,54%, sendo este o maior resultado já registrado no mês desde o ano de 2016 (1,27%). Comparando com os números do mês de dezembro (0,73%), pode-se notar que houve uma pequena desaceleração.

No último ano, o IPCA acumulou alta de 10,38% acima do ano de 2020 (10,06%). Em janeiro do ano passado, a variação mensal foi de 0,25%. Tais dados foram divulgados na última terça-feira (9) pelo IBGE. O objetivo do Banco Central para as inflações deste ano é de 3,5%, com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos. Isso quer dizer que, poderá variar entre 2 e 5%.

Essa desaceleração da inflação que ocorreu em relação ao mês de dezembro foi fortemente influenciada por conta do recuo que houve nos transportes (este foi o único dos nove grupos de serviços e produtos pesquisados pelo IBGE que sofreu queda no mês de janeiro). Acompanhe os demais a seguir:

  • Transportes: – 0,11%;
  • Habitação: 0,16%;
  • Educação: 0,25%;
  • Saúde e cuidados pessoais: 0,36%;
  • Despesas pessoais: 0,78%;
  • Comunicação: 1,05%;
  • Vestuário: 1,07%;
  • Alimentação e bebidas: 1,11%;
  • Artigos de residência: 1,82%.

Queda nos valores

Este recuo que ocorreu no setor de transportes foi influenciado, principalmente, pela queda nos valores das passagens aéreas e dos combustíveis (18,35 e 1,23%). Além disso, também houveram quedas nos valores da gasolina (-1,14%), do etanol (-2,84%) e do gás para veículos (-0,86%).

Outros setores que merecem um destaque e sofreram reduções foram os transportes por aplicativos (-17,96%) e o aluguel de veículos (-3,79%). No mês de janeiro de 2022, o óleo diesel foi o único combustível que sofreu um reajuste e teve seu valor aumentado em 2,38%.

Uma justificativa na queda dos valores das passagens aéreas é por conta do componente sazonal.
Em relação aos combustíveis, os reajustes negativos aplicados pela Petrobras nas refinarias em dezembro do ano passado nos auxiliam a compreender o recuo que ocorreu no mês de janeiro.

Aumento no valor das carnes e frutas

O resultado para o último mês foi influenciado pelo setor de alimentação e bebidas (1,11%), que sofreu um maior impacto, dando destaque para as carnes (1,32%) e para as frutas (3,4%).

Os preços do café subiram mais uma vez pelo 11º mês consecutivo (4,75%), o que fez acumular uma alta de 56,87% no último ano. Os preços da cenoura, cebola, batata-inglesa e tomate também subiram.
As principais quedas dos valores foram registradas nos preços do arroz, do frango inteiro e do frango vendido em pedaços.

INPC registra alta

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que é o medidor de inflação para as famílias que possuem renda mensal de 1 a 5 salários mínimos, teve alta de 0,67% no mês de janeiro, o que superou o mês anterior (0,73%), que era a maior variação para o mês de dezembro desde o ano de 2016 (1,51%).
Este indicador acumula alta de 10,6% no último ano, superando os 10,16% constatados nos 12 meses anteriores (2020). No mês de janeiro de 2021, a taxa era de 0,27%.

Conclusão

Como uma forma de tentar conter a inflação, o Banco Central decidiu realizar pequenos aumentos na taxa Selic, que é a taxa básica de juros. Na semana passada, em uma última reunião, a taxa passou de 9,25% para 10,75%, atingindo o seu maior patamar desde maio de 2017.

Ao aumentar o valor dos juros, o Banco Central pretende reduzir o consumo, forçando os preços a caírem. O efeito colateral negativo é que isso segura o crescimento econômico. Por outro lado, quando a inflação está baixa, o Banco Central corta os juros para estimular o consumo.

Em 2021, a inflação fechou o ano em 10,06%, um número muito acima da meta anteriormente estabelecida pelo Banco Central, que era de 3,75%. Gostou do nosso assunto de hoje? Se restou alguma dúvida, entre em contato conosco para bater um papo, será um prazer atende-lo. Até a próxima!

Folha Sudoeste


Leia Este

Salário mínimo vai chegar a 1.294?

Salário mínimo vai chegar a 1.294?

A última previsão estima que em 2023 o Salário mínimo vai chegar a R$ 1.294, …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *